A dona do blog

Sou a Bruna, tenho 23 anos, nasci no dia 02 de Agosto, sou do interior de São Paulo, adoro fotos, gatos, café, dias frios e livros.
Leia + email me


Facebook Google + Twitter Feeds

Perfume de Patrick Süskind

30/03/2014 • Por Bruna em Livros.

O tema de março do Desafio literário do tigre era “filme ou livro”, entre os livros que viraram filme as opções são muitas, a ideia era ler um livro que tivesse inspirado um filme que eu já tivesse visto mas acabei escolhendo Perfume de Patrick Süskind, apesar de não ter visto o filme, eu tenho uma relação delicada com filmes então me desculpa por ter saído um pouco do tema do mês.

Perfume de Patrick Süskind

A história de Jean-Baptiste Grenouille, que se passa na França do século XVIII, é contada desde o nascimento, de como sua mãe deu a luz e como pretendia deixá-lo morrer, a como ele acabou em um orfanato até ser vendido para um curtidor de couro. Ele é um garoto desafortunado e rejeitado que tem a peculiaridade de não ter absolutamente cheiro nenhum, o que faz com que as pessoas tenham certo medo dele, acreditando que não seja humano, porém ele tem uma incrível sensibilidade olfativa, podendo sentir, diferenciar e catalogar aromas que outras pessoas sequer sabem que existem. Ainda criança ele alimenta o desejo de aprender as artes da perfumaria e se torna obcecado por extrair a essência, primeiro de objetos, depois de animais e pessoas, mas não de qualquer pessoa, e sim de belas moças virgens. Ele dedica todos os seus esforços ao objetivo de conseguir um perfume perfeito, de isolar a essência mais inebriante, não se importante com o que precisa fazer para consegui-la, e assim, ele se torna um assassino, mas não tem prazer em matar, a morte é apenas necessária para evitar perguntas inconvenientes, tudo que ele precisa é do cheiro de sua vítima. Desde pequeno, sua presença não é agradável, mas sua ausência tão pouco ajuda.

É a história de um assassino que não é assustadora, nem muito misteriosa, com certeza não é convencional e, com situações absurdas, está longe de ser realista quanto ao desenrolar dos fatos. Nela vemos o ponto de vista do assassino, que não tem nenhum tipo de relação com as vítimas, não às vê como seres humanos, sequer entende o conceito de humanidade, tudo que ele conhece são os cheiros que deseja possuir. Apesar de ser narrada em terceira pessoa, o autor dá uma visão muito detalhada e sem julgamentos da visão de Grenouille e também das pessoas que entram em sua vida, deixando muito claro aspectos da personalidade de cada um e suas próprias noções de moral e ética, e como seus atos, por pior que sejam, parecem perfeitamente justificáveis em sua linha de raciocínio, o que dá à história uma visão muito interessante das nuances da natureza humana, tornando o livro divertido de uma forma particular que o destaca das típicas histórias de crimes.

O autor passa muito tempo descrevendo técnicas aplicadas na produção de perfumes, já que Grenouille precisa aprende-las para atingir seus objetivos. Achei algumas informações óbvias e desnecessárias, talvez por já estar familiarizada com as técnicas descritas, achei o livro fácil de ler e muito divertido. Porém, se você não sabe o que é um espírito de vinho, se é que não entender uma denominação ou outra te importa, pode achar o livro um pouco maçante, já que grande parte dele é destinada a detalhar técnicas de maceração e destilação, só muitos anos depois de seu primeiro assassinato ele virá a matar alguém com as próprias mãos outra vez e, às vítimas, suas histórias, personalidade, ou mesmo à forma como são mortas, não é dada muita atenção, então apesar de ser a história de um assassino, os assassinatos não tem tanta importância para a história.

O que me chamou a atenção foi o estilo da narrativa, os eventos são contados a partir do ponto de vista do personagem que executa a ação, com seus pensamentos expostos enfatizando como a experiência de vida de uma pessoa influência seu modo de ver as coisas, e tudo de forma muito divertida. Entrou instantaneamente para a minha lista de livros favoritos, não vi o filme, mas não imagino como a densidade dos personagens poderia ser transmitida nele, com certeza não é um trabalho fácil.

Perfume de Patrick Süskind
Perfume de Patrick Süskind
Perfume de Patrick Süskind











2 Comentários em “Perfume de Patrick Süskind”


Ranieri em 02/04/2014 às 14:12

Bruna, achei a história ótima, mas o que é a capa desse livro? Fiquei tão encantado!

O nome é muito instigador, assim como parece ser a história.

Tenho tanto livro pendente de leitura, queria mais tempo para isso. :\

Ótimo post!

Beijos!

[Reply]

#DldoTigre – Fechamento de Março “Filme ou Livro?” | Elvis Costello Gritou Meu Nome em 15/04/2014 às 12:32

[…] O que me chamou a atenção foi o estilo da narrativa, os eventos são contados a partir do ponto de vista do personagem que executa a ação, com seus pensamentos expostos enfatizando como a experiência de vida de uma pessoa influência seu modo de ver as coisas, e tudo de forma muito divertida. Entrou instantaneamente para a minha lista de livros favoritos, não vi o filme, mas não imagino como a densidade dos personagens poderia ser transmitida nele, com certeza não é um trabalho fácil. – Resenha de Bruna para Perfume, de Patrick Süskind. […]